quinta-feira, 29 de junho de 2017

Vivendo em Paz com os outros







Façam aos outros o que querem que eles façam a vocês. Mateus 7:12.

       A colonização de um povo sempre trouxe sofrimento e violência. E os mais fortes acabam por liquidar os mais fracos. William Penn e os colonizadores quacres resolveram usar uma tática diferente. Apresentaram-se aos índios, procurando formar uma amizade entre os dois povos.

       Numa noite fria de 1682, William Penn sentou-se sob uma imensa árvore, como se fosse o líder branco dos colonizadores. À sua frente estava o chefe indígena e seus guerreiros. O chefe lhe passou o cachimbo da paz e o convidou para falar.

       – Meu povo e o seu povo têm aparência diferente, mas somos todos filhos do Grande Espírito, que deseja que convivamos em paz – disse Penn. – Estamos aqui sem armas de fogo ou machados, apenas com amor no coração e boa vontade. Queremos propor ao seu povo um tratado de amizade.

       O acordo proposto por Penn dizia que os índios e os colonizadores viveriam juntos como irmãos. As planícies e florestas estariam livres para todos. As casas dos brancos poderiam receber os índios e as cabanas destes, poderiam receber os brancos. Também propunha que não se dessem ouvidos a relatórios falsos um contra o outro, mas, em caso de suspeita, fizessem uma investigação cuidadosa. Não haveria vingança, pois tudo seria levado a um conselho de 12 homens honestos, que julgariam com justiça. As demais dificuldades seriam vencidas com muita boa vontade e educação.

       O chefe indígena levantou-se e deu um passo à frente. Estendeu a mão e segurou a mão de William Penn. Dessa maneira, o tratado de amizade foi selado sob a grande árvore, e na presença de muitas testemunhas. Nos anos seguintes, índios e colonizadores viveram juntos em perfeita paz e harmonia.

       O respeito entre as pessoas resultará no respeito entre os povos. Isso foi verdade no passado e ainda o é no presente. Você vai fazer a sua parte?



Nenhum comentário:

Postar um comentário