segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

Feliz Ano Novo!





















Feliz Ano Novo a você e sua família!


Fernando Beier

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Feliz Natal














A noite fria revelou a estrela,
de uma manjedoura ela brilhou
Os que decidiram optar por ela,
encontraram o menino que a todos salvou.


Feliz Natal


Fernando Beier

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Maravilhas da criação
























Sinopse: Diversas maravilhas que nos rodeiam estão ocultas da maioria dos olhos humanos. A natureza está ao nosso redor e nós somos parte dela. Desde os tempos mais remotos, o homem tem contemplado o mundo e feito muitas perguntas. Muitos creem que a ciência pode dar uma explicação racional e satisfatória a respeito da origem e do desenvolvimento da Terra. Outros afi rmam que isso só pode ser obtido por meio da revelação sobrenatural e do estudo da natureza. Quem está certo? O conhecimento correto de ambas as propostas demonstrará que uma não contradiz a outra.

Comentário: Quais as evidências de um mundo criado por Deus? O evolucionismo está correto? O livro de Gerald Vyhmeister tem o mérito de apresentar o contexto do debate entre criacionismo e evolucionismo em linguagem bem acessível. Como biólogo e químico, o autor não se furta em colocar as falácias do evolucionismo em relevo. Mas não que o criacionismo tenha todas as respostas. Buscar as pistas da verdade na própria natureza sempre será o ponto inicial da jornada do conhecimento científico (Fernando Beier).

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Governo da Índia quer negar educação aos cristãos















      O governo da Índia afirma que não se deve estender benefícios, como emprego e assistência educacional, aos cristãos mais pobres do país. “Por um lado”, ele disse, “não há cristãos entre os dalits* na Índia. Por outro, estender os benefícios do governo para os cristãos pobres encorajaria os também pobres índios hindus a se converterem na esperança de qualificação para os programas de assistência social”.
      As declarações do ministro ao The Times of India, zombam de ativistas que trabalham com os dalits cristãos. Os advogados de cristãos e dalits muçulmanos já tentaram por décadas garantir a estes o acesso a emprego, educação e moradia concedidos pelo governo.
      "Como líder de inúmeros dalits cristãos, eu tenho de afirmar que a posição do ministro é infeliz", diz o Rev. Kumar Swamy, secretário nacional do All India Christian Council, à World Watch Monitor.
      "A Constituição diz claramente que os cidadãos não serão discriminados com base na religião", disse Swamy. A disposição do governo de benefíciar aos hindus dalits, por um lado, e a recusa de auxílio para dalits cristãos e muçulmanos por outro lado”, disse ele, “é a violação de um direito fundamental de igualdade perante a lei garantida no âmbito da Constituição."

      *Nome dado aos cidadãos mais pobres e marginalizadas do país, às vezes chamados de "intocáveis".


Fonte: World Watch Monitor 

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

A conversão de Judeus ao Cristianismo














Nas últimas décadas, o judaísmo messiânico, movimento de judeus que aceitaram Yeshua (Jesus) como Messias, vem crescendo de forma constante, especialmente nos Estados Unidos. A maioria deles continua mantendo as tradições do judaísmo, desagradando os judeus praticantes e muitas vezes alguns segmentos cristãos. Estudiosos do assunto asseguram que o movimento se fortaleceu quando Israel se tornou uma nação novamente em 1948. Sua atuação em solo israelense sempre foi difícil, mas diferentes ministérios tem tido sucesso no alcance de judeus. As missões focadas em apresentar Yeshua como Messias existem há décadas, mas vem se multiplicando: King of Kings, Centro Caspari, Judeus para Jesus, The Christian Jew Foundation, Chosen People Ministries, Joseph Storehouse, Christian Witness to Israel, Fundação Jewish Christian, e Maoz, entre outras menos conhecidas, têm centenas de testemunhos sobre judeus convertidos nos últimos 20 anos.

O trabalho evangelístico em Israel está sendo realizado através de congregações messiânicas locais. Os maiores estão em Tiberias, K’far Saba, Netanya, Jerusalém e Joffa. Existem mais de 150 congregações. O maior índice de conversão está entre os judeus que imigraram de países da antiga União Soviética. O crescimento no número de judeus que têm “voltado para casa” faz com que messiânicos de diferentes países fortaleçam as comunidades já existentes.

Esse aumento no número de participantes não passou despercebido pelos grupos religiosos tradicionais da nação israelense. Seu trabalho de ação social, incluindo apoio aos que tiveram perdas durante as guerras com o Líbano e com o Hamas, por causa da doação de alimentos, roupas, remédios e outros suprimentos faz com que eles sejam bem aceitos pelos judeus em geral.

A maioria dos pastores dessas igrejas messiânicas em Israel contam das dificuldades que passam, mas acreditam que está acontecendo uma transformação nos dias de hoje. Aumentou o reconhecimento e a aceitação dos messiânicos. Relatam ainda que tantos conflitos políticos e religiosos na região geram uma busca por respostas, que abrem portas para que a boa-nova seja espalhada.

O rabino messiânico Barry Rubin relata que “hoje, os cidadãos israelitas estão mais abertos para falar sobre Yeshua e considerar seriamente a possibilidade de que Ele realmente é o Messias”. Ele acha difícil estabelecer com certeza o número de judeus que seguem a Jesus, pois em muitas famílias a pressão continua grande. Ainda há casos de perseguição severa.

Estatísticas de 2013 apontam que o número de judeus messiânicos em todo o mundo já passa de 300.000. Destes, aproximadamente 20.000 vivem atualmente em Israel. Registros oficiais indicam que é um número recorde. Existiam no país menos de 100 judeus messiânicos conhecidos em 1948, eram 250 em 1967, em 1987 chegaram a 3.000, em 1997 a comunidade cresceu para 5.000, ultrapassando 15.000 em 2008. 

Fonte: Jewish Israel, via Gospel Prime

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

O que você tem semeado?

















Adorem a Mim, o Senhor, o Deus de vocês, e Eu os livrarei de todos os seus inimigos. 2 Reis 17:39.

      Certo dia, o capelão de uma grande prisão decidiu visitar alguns condenados que trabalhavam na oficina. Todos eles tinham sua história de crimes e infelicidades. Avistou um jovem trabalhando com tecido e fazendo camisas. Parou por um momento e, em seguida, fez uma pergunta:
      – Costurando muito?
      O jovem levantou a cabeça e encarou o capelão. Era um olhar triste e pensativo.
      - Não, senhor, estou colhendo.
      O capelão pediu-lhe permissão para sentar-se ao seu lado.
      – Conte-me sobre isto – pediu ele.
      O jovem contou-lhe uma triste história. Nascera em um bom lar, onde a família vivia feliz. Morava em uma casa grande e bonita, e desde pequeno estudara nas melhores escolas que o dinheiro podia pagar. Porém, quando chegou à adolescência, começou a andar com rapazes de má reputação. Logo começou a fumar. Em casa, seus pais começaram a estranhar seu comportamento. Chegava tarde e nunca falava nada. Começaram as brigas. Pedia dinheiro ao seu pai para comprar cigarros, e este lhe negava. Decidiu, então, unir-se a uma quadrilha de ladrões de lojas.
      A princípio, a vida de crimes parecia compensadora. Tinha dinheiro para comprar o que quisesse, e as garotas viviam ao seu lado. Foi quando descobriu as drogas. Um pouco aqui, um pouco ali, e tornou-se viciado. Agora, quase todo o dinheiro era usado para sustentar o vício. E quanto mais droga ele usava, mais droga o seu corpo pedia. Uma namorada lhe rogou em vão que parasse com tudo aquilo.
      Um dia, sem dinheiro para comprar a droga, ele resolveu participar de um assalto a uma grande loja de jóias. A polícia apareceu e ele foi apanhado. Agora, longe da família e dos amigos, ele estava cumprindo os longos anos de prisão.
      – Pois é – disse o jovem ao capelão –, estou colhendo o que semeei.
      Quantas pessoas tomam decisões semelhantes, destruindo seu futuro e amargando um presente de problemas. Por que deixar Deus longe de suas escolhas? Você pode mudar isso hoje, convidando Jesus para dirigir seus passos na caminhada da vida.

Fernando Beier