quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Prepare-se!











De repente, um carro de fogo puxado por cavalos de fogo os separou um do outro, e Elias foi levado para o céu num redemoinho. 2 Reis 2:11.

      Você consegue imaginar a visão que Eliseu teve do profeta Elias subindo ao céu? Carro com cavalos de fogo e um tornado, tudo junto. Realmente deve ter sido uma cena espetacular.
      O profeta Elias representa aqueles que no dia da volta de Jesus irão para o Céu sem experimentar a morte.
      Você também quer estar vivo quando o nosso Salvador voltar à Terra? Você está preparado para vê-Lo?
      Numa manhã ensolarada de agosto de 1945, muitos japoneses estavam tentando levar a vida normalmente, quando uma das maiores tragédias da história humana aconteceu.
Ninguém na cidade de Hiroshima poderia imaginar o que cairia do céu naquele dia. O alarme de ataque aéreo soou apenas alguns instantes antes da luz branca cauterizante atingir a cidade. Uma bola de fogo gigantesca (o centro da explosão atingiu um calor maior que o da superfície do Sol) se formou. Uma onda de calor varreu a cidade, derretendo aço e derrubando prédios de concreto como se fossem de papelão. As pontes das ferrovias pegaram fogo. Hidrantes quebrados lançaram água que se misturava com a poeira radioativa. Cacos de vidro caíam como chuva. A maioria da população mais próxima da explosão morreu instantaneamente.
      Era a bomba atômica lançada por um avião americano. Jamais se chegará a um número preciso de vítimas daquele holocausto, mas muitos estimam a perda de mais de 150 mil vidas, sem contar os que morreram depois pelos efeitos da radiação.
      A história nos conta que os habitantes de Hiroshima sabiam que um ataque aéreo poderia acontecer a qualquer momento. Eles só não podiam imaginar que espécie de ataque seria. Ninguém estava preparado para o que aconteceu.
      A volta de Jesus também pegará muitos de surpresa. Apesar de todos os avisos da Palavra de Deus, muitos não percebem o perigo que correm.
      Mas você não precisa correr nenhum risco. Entregue sua vida nas mãos de Deus e a experiência de Elias poderá também acontecer com você um dia.


Fernando Beier

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Estado Islâmico decreta que cristãos são seus maiores inimigos









A revista eletrônica Dabiq, publicada pelo Estado Islâmico (EI) para recrutar combatentes de todo o mundo, chega à sua quarta edição. Publicada em vários idiomas, vem se mostrando uma ferramenta útil para atrair ao conflito mais de 12 mil voluntários muçulmanos, de 74 nacionalidades diferentes. Não por acaso, a última de suas 12 páginas traz uma convocação aos simpatizantes de sua causa no mundo todo, para atacar os ocidentais “onde quer que eles possam ser encontrados”.
No artigo “O regresso da escravidão antes da hora”, além de confirmar a escravização de milhares de mulheres e crianças yazidis, justifica essa atitude em relação à minoria curda, afirmando: “foram divididos entre os combatentes do Estado Islâmico conforme a sharia”.
Ao falar sobre a sua “vitória final”, os jihadistas dão um alerta aos “romanos”, termo genérico usado por eles para denominar a Civilização Ocidental. Explicam que sabem que chegarão a uma trégua quando se defrontarem com um inimigo comum, mas que o Ocidente romperá o acordo, assassinando um muçulmano. Segundo a visão islâmica, esse fato iniciará uma batalha, quando surgirá o messias islâmico (Mahdi), e conquistará de vez Constantinopla e Roma.
Desde que anunciou a soberania de seu califado, conquistando territórios no Iraque e na Síria, resgatou o conceito de uma guerra religiosa nos moldes dos embates medievais entre muçulmanos e cristãos. Ao escolherem Roma como símbolo do cristianismo mundial, deixam claro que este é seu inimigo número um.
A reportagem principal fala sobre o conflito final, mas trás o alerta: “Se não chegarmos a esse tempo, então nossos filhos e netos irão alcançá-lo, e eles venderão seus filhos como escravos no mercado de escravos”.
Desde seu surgimento (ainda com o nome de ISIS) o exército jihadista executou milhares de cristãos no Iraque e na Síria. “Em todo o Oriente Médio, nos últimos 10 anos, em média 100 mil cristãos foram assassinados a cada ano. Ou seja, a cada cinco minutos um cristão é assassinado por causa de sua fé”. Esse foi o argumento chocante apresentado pelo líder cristão Gabriel Nadaf ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas, em setembro.
Estima-se que 12 milhões de cristãos viviam no Oriente Médio. A ascensão do Estado Islâmico nos últimos três anos gerou uma nova onda de perseguição contra a comunidade cristã em diferentes países, incluindo Egito, Iraque, Líbia, Irã e Síria. Também teve reflexos na África, onde grupos jihadistas também declararam seus califados e intensificaram os ataques contra cristãos.
Fonte: portasabertas

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Será que Deus me perdoa?



 
 
 
 
Você viu como Acabe se tem humilhado diante de Mim? Já que ele está fazendo isso, não será durante a vida dele que vou trazer a desgraça que prometi. 1 Reis 21:29.

      A Bíblia se refere a Acabe da seguinte maneira: “Não houve ninguém que tivesse se entregado tão completamente a fazer coisas erradas, que não agradam ao Senhor, como fez Acabe” (1 Reis 21:25). Sem dúvida, Acabe foi um rei muito mau para o povo de Israel.
      Contudo, depois que o profeta Elias lhe falou do castigo de Deus, Acabe percebeu seus erros e se arrependeu. E Deus, que conhece nosso coração, resolveu não castigá-lo.
      Costumamos dizer que até o pior dos pecadores pode encontrar perdão em Deus. E isso é verdade, pois a Bíblia também diz: “Mas, se confessarmos os nossos pecados a Deus, Ele cumprirá a Sua promessa e fará o que é correto: Ele perdoará os nossos pecados e nos limpará de toda maldade” (1 João 1:9).
      Uma senhora de certa idade saiu para o quintal com o objetivo de pendurar as roupas que havia acabado de lavar. O quintal estava enlameado pelas chuvas dos últimos dias. Quando ela pendurava a última peça, houve um estalido e o varal se rompeu, levando todas as roupas direto para a lama. Imagine o esforço que a pobre senhora teve para lavar tudo novamente.
      Quando seu marido chegou do trabalho, entrou em casa e percebeu que o jantar não estava na mesa. Faminto depois de um dia cansativo, ele perguntou à esposa, um tanto irritado:
      – O que aconteceu? Por que o jantar não está pronto?
      – Tive problemas com as roupas. – respondeu ela mansamente.
      O marido ficou arrependido do jeito rude de tratar o problema e perguntou:
      – O que houve de errado?
      Sua esposa contou-lhe toda a história. Pensativo, ele disse em tom carinhoso:
      – Você deve ter ficado muito irritada quando aquelas roupas caíram na lama.
      – Sim, um pouco a princípio. Mas enquanto lavava as roupas pela segunda vez, me veio à mente o fato de que muitas vezes Jesus nos lava, e caímos novamente no pecado. Então, Ele precisa lavar-nos inteiramente mais uma vez.
      Que tal ser lavado do pecado neste momento? É só pedir a Jesus que Ele o fará!
 
Fernando Beier

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Fiel em todo tempo















Mas Eu deixarei sete mil pessoas vivas em Israel, isto é, todos aqueles que não adoraram o deus Baal e não beijaram a sua imagem. 1 Reis 19:18.

      Ao fugir de Jezabel, a rainha pagã, o profeta Elias se esqueceu de que Deus continuava ao seu lado. Depois que o próprio Deus o lembrou disso, ele desculpou-se dizendo que estava só, pois não havia mais ninguém fiel em Israel.
      Elias estava enganado, como lemos no verso de hoje.
      Na verdade, durante todas as eras, Deus sempre teve um povo remanescente, fiel a Ele. Pessoas que sofreram por amor a Deus e à Sua palavra.
      Durante o tempo em que os grandes líderes romanos mandavam no mundo, o imperador Galério e o seu prefeito Asclepíades invadiram Antioquia com o intuito de fazer com que os cristãos renunciassem sua fé. Um dos que resistiram firme foi um homem chamado Romano. Asclepíades lhe disse:
      – O seu Cristo crucificado não é mais que um Deus de ontem.
      – Dê-me uma criança de sete anos – respondeu Romano – e o senhor ouvirá o que ela tem a dizer.
      Chamou-se um menino que foi colocado diante de Romano.
      – Diga-me, filho, você acha que devemos adorar só a Cristo, filho de Deus, ou podemos adorar outros deuses?
      – Cristo é o único, o verdadeiro Deus – afirmou o menino. – Nós, crianças, não podemos acreditar na existência de deuses.
      O prefeito Asclepíades foi tomado de espanto diante da resposta do garoto. Irado, perguntou-lhe:
      – Onde você aprendeu essa lição?
      – Com minha mãe – disse a criança.
      O prefeito ficou tão furioso que ordenou que o menino fosse pendurado num tronco e açoitado na frente da mãe. Depois, voltando-se para Romano, disse-lhe:
      – Não tenha dúvida de que uma fogueira será preparada para você e para aquele menino, seu companheiro de rebelião.
      Romano e muitos outros perderam a vida, mas nem a espada nem a fogueira foram capazes de destruir o povo remanescente de Deus.



Fernando Beier