quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Israel guardando o domingo?













     





     O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu deu sua aprovação tácita para experimentar a proposta do vice-primeiro-ministro Silvan Shalom para tornar o domingo um dia sem trabalho e escola; fontes próximas de Shalom confirmaram nesta quarta-feira. Shalom tem insistido há anos em sua proposta para uma semana de trabalho mais curta, mas até há pouco tempo parecia que um comitê nomeado por Netanyahu iria bloquear a iniciativa. Uma trégua política entre Netanyahu e Shalom durante o último mês deu nova vida à proposta. O primeiro-ministro e Shalom discutiram a ideia num encontro no dia 2 de setembro. As equipes continuaram o debate desde então e fizeram progressos.

     Representantes do comitê, liderados pelo diretor do Conselho Econômico Nacional, prof. Eugene Kandel, discutiram com os conselheiros de Shalom maneiras de testar a iniciativa, e devem se encontrar novamente já na quinta-feira.

     Uma possibilidade é estabelecer um domingo de descanso por mês. Mas os parceiros de Shalom disseram que esse projeto piloto é apenas uma forma de testar a iniciativa e implementá-la por fases. Esses testes e fases são vistos como cruciais para a obtenção da aprovação pelas organizações econômicas e entidades que se opõem ao encurtamento da semana de trabalho.

     Uma fonte próxima de Kandel disse que o comitê publicaria suas conclusões imediatamente após o fim das festas judaicas, no próximo mês. Disse que Netanyahu não emitiria sua opinião sobre o assunto antes de estudar as conclusões.

     “Estou feliz por qualquer progresso no sentido de implementar minha iniciativa para um fim de semana mais longo aos sábados e domingos em Israel”, disse Shalom. “Esse é outro passo que eventualmente permitirá implementar plenamente a proposta”. 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Fidelidade e vitória


Um só israelita pode fazer fugirem mil inimigos porque o Senhor, nosso Deus, está lutando por vocês, como prometeu. Josué 23:10.

     Quão bom é saber que Deus cuida carinhosamente daqueles que são fiéis a Ele. Prometeu-nos que na batalha de cada dia, lutaria ao nosso lado nos dando a vitória.
     Conta-se que na ex-União Soviética, um pequeno grupo de cristãos se reunia em uma casa toda semana, e num determinado dia receberam uma cópia do Evangelho de Lucas. Para alguns deles, era a única porção da Bíblia que já tinham visto. Eles decidiram dividir o Evangelho e distribuir entre o grupo. Cada um deveria decorar sua parte e na semana seguinte trocariam os textos.
     No dia marcado, os cristãos chegaram em horários diferentes, com o objetivo de não levantar suspeitas e chamar a atenção da KGB. No final do dia, estavam todos reunidos para mais um culto. Começaram cantando um hino bem baixinho, mas com profunda gratidão.
     Subitamente, gritos vindo de fora interromperam a adoração. A porta foi empurrada com violência e dois soldados entraram na casa agitando suas armas. Um deles gritou:
     – Todo mundo encostado na parede. Quem não quiser sofrer as conseqüências renuncie a Jesus e saia agora!
     Duas pessoas saíram correndo pela porta. Depois mais um. Segundos depois, outro se foi.
     – Esta é a última chance – disse o soldado. – Mais alguém?
     Outras duas pessoas saíram em silêncio e envergonhadas. Então ninguém mais se mexeu. Alguns pais seguravam seus filhinhos tremendo. Todos aguardavam o pior.
     Então, o outro soldado fechou a porta e, virando-se, disse:
     – Perdoe-nos, meus irmãos. Nós também somos cristãos. Entramos em outra casa algumas semanas atrás para prender um grupo de crentes, mas acabamos nos convertendo ao Senhor Jesus. Queríamos hoje ter certeza de que não havia um espião entre nós.
     Imagine a alegria e emoção daqueles nossos fiéis irmãos russos!

Fernando Beier

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Jesus foi casado?



Veja só como as coisas acontecem no que diz respeito aos críticos do passado cristão. A notícia dos últimos dias foi:

"A descoberta de uma pesquisadora da Universidade de Harvard (EUA) pode ajudar a esclarecer um dos aspectos mais controversos da vida de Jesus Cristo. Karen King, especialista em religião, encontrou um papiro do século 4 da nossa era cujo texto indica que Jesus Cristo foi casado".

Apesar de a própria Karen afirmar que o fragmento não prova que Jesus era casado, a suposta possibilidade de isso ser verdade já seria um absurdo. Ou seja, quando afirmamos na veracidade e autenticidade dos evangelhos (e cartas) do Novo Testamento, escritos algumas poucas décadas depois da morte de Jesus (por pessoas que conviveram com Ele), muitos estão prontos a questionar e criticar. Mas um fragmento do quarto século, com apenas oito linhas de texto, já pode ser o suficiente para alguns como se fosse a verdade sobre o assunto. 

No fim das contas, para algumas pessoas, o preconceito é maior do que a força da evidência. 

Fernando Beier



sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Crendo nas Evidências


Josué deixou que Raabe, a prostituta, e todos os seus parentes ficassem vivos. Josué 6:25.

     Antes de Jericó ser destruída, Josué enviou dois espiões para fazer uma avaliação do tamanho da cidade. Lá, eles encontraram segurança na casa de uma mulher chamada Raabe. Ela os escondeu da fúria do rei, que havia descoberto a presença deles.
     Mas não foi só isso. Ela também demonstrou o desejo de adorar o Deus de Israel. Sabia dos milagres de Deus em favor de Seu povo e essas evidências eram suficientes para que desejasse ser salva. Durante a destruição da cidade, ela e sua família não foram esquecidas.
     Da mesma forma que naquela época, Deus deixa hoje muitas evidências de sua existência. Conta-se que o grande cientista Isaac Newton tinha um amigo que não cria em Deus, nem mesmo na Bíblia. Dizia para todos que tudo o que acontece é resultado do acaso. Ambos eram estudantes apaixonados pela astronomia, e Newton tentava encontrar um meio da fazer com que seu amigo acreditasse no “acaso” de Deus.
     Certo dia, ele pediu a um artista muito famoso que fizesse um globo astronômico e o colocasse em sua biblioteca, onde costumava conversar com o tal amigo. Dias depois, seu amigo notou o globo e ficou encantado com a obra de arte. Perguntou então:
     – Newton, como você conseguiu este incrível trabalho de arte e conhecimento estelar?
     – Oh, apareceu aqui na biblioteca ontem e ficou por aí. Foi totalmente por acaso. Acho que tem alguma ligação com sua teoria.
     Aquele homem entendeu a lição que Newton queria lhe ensinar. Assim como alguém havia feito aquele globo e o colocado na biblioteca, da mesma forma existe um Deus que fez todas as coisas e cuida delas.
     Raabe foi salva porque creu nisso.

Fernando Beier

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Falta de água pode levar a queda no consumo de carne?




Diariamente, um bilhão de mulheres, homens e crianças vão dormir com fome, enquanto dez milhões morrem por desnutrição a cada ano. Se ainda hoje o mundo não conseguiu sanar esse mal, que afeta um em cada sete de seus habitantes, como é que vamos alcançar a segurança alimentar para uma população que em 2050 chegará a nove bilhões de pessoas? Um novo estudo mostra que a solução para evitar uma catástrofe alimentar passará por uma mudança quase completa de uma dieta a base de carne para uma mais centrada em vegetais. E isso deverá acontecer por um único motivo: a escassez de água. É o que aponta o relatório “Alimentando um mundo sedento: Desafios e Oportunidades para a segurança hídrica e alimentar”, divulgado ontem na Suécia, por ocasião da Semana Mundial da Água.

A análise mostra que não haverá água suficiente para alcançar a produção esperada em 2050, se seguirmos com a dieta característica dos países ocidentais em que a proteína animal responde por pelo menos 20% das calorias diárias consumidas por um indivíduo.

Na ponta do lápis, de acordo com os cientistas, a adoção de uma dieta vegetariana é atualmente uma opção para aumentar a quantidade de água disponível para produzir mais alimentos e reduzir os riscos de desabastecimento em um mundo que sofre com extremos do clima, como a seca histórica que afeta os Estados Unidos. O motivo é que a dieta vegetariana consome de cinco a dez vezes menos água que a de proteína animal – que hoje demanda um terço das terras aráveis do mundo só para o cultivo de colheitas para alimentar os animais.

“A capacidade de um país de produzir alimentos é limitada pela quantidade de água disponível em suas áreas de cultivo”, ressalta um trecho do relatório, que alerta sobre a pressão atual e crescente sobre esse recurso natural usado de forma cada vez mais insustentável. Segundo previsões da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, da sigla em inglês), será necessário aumentar a produção de alimentos em 70% nos próximos 40 anos para atender à demanda. Isso colocará uma pressão adicional sobre os nossos hídricos, num momento em que precisaremos também alocar mais água para satisfazer a demanda global de energia, que deverá crescer 60% em três décadas, salientam os cientistas.

Outro estudo divulgado em maio pela consultoria britânica Maplecroft mostrou que o mundo já vive um “estresse hídrico” e que a falta de acesso à água potável vem pesando sobre os países mais pobres ou marcados por histórico de conflitos militares, instabilidades políticas e sociais. Segundo o levantamento, os países do Oriente Médio e África são os mais vulneráveis à falta de água. Nessas regiões, cada gota pode emergir como uma nova fonte de instabilidade.

Em alguns dos maiores produtores de petróleo do mundo, como Kwait e Arábia Saudita, a escassez de água vem se tornando crítica há gerações. Primeiro colocado na lista de dez países em “risco extremo” de falta d’água, Bahrein, no Golfo Pérsico, usa águas subterrâneas para a prática da horticultura, porém, em quantidade insuficiente para atender toda a população. A deterioração dos lençóis subterrâneos de água já é uma das principais preocupações nacionais.

Fonte: Exame

Cuidado com o que pertence aos outros



O povo de Israel pecou. [...] Eles roubaram essas coisas, mentiram por causa delas e as colocaram no meio da bagagem deles. Josué 7:11. 

     Quando Benjamin Franklin ainda era menino, viajou certa vez com a família ao litoral. Numa certa manhã ensolarada, ele teve uma idéia junto aos seus amigos. 
     – Por que não construímos um dique de pedras, a fim de poder pegar os peixes trazidos pela maré? Todos concordaram com Franklin. 
     – Mas onde vamos conseguir as pedras? – perguntou um menino. 
     – Não há muitas na praia. Apontando para uma casa em construção, Franklin disse:
     – Eu vi uma pilha de pedras ali. Vamos buscá-las. 
     – Você tem certeza de que isso não vai dar problema? – perguntou outro. 
     – O senhor que mora ali não vai se importar. Afinal, não vamos estragar as pedras; só brincar com elas. 
     Eles correram até a pilha de pedras e começaram a transportá-las até a praia. Logo tinham o pequeno dique construído. No meio da brincadeira, o pai de Franklin apareceu e olhou para o dique. 
     – Vocês fizeram um bom trabalho. Mas onde conseguiram as pedras? 
     – Daquela casa – apontou Franklin. 
     – As pedras pertencem a vocês? 
     – Não, papai. 
     – Pediram licença para usá-las? 
     – Não, papai. 
     – Meu filho, você acaba de se tornar um ladrão. O pequeno Franklin ficou tão envergonhado, que sentiu vontade de chorar. Ele e os amigos derrubaram o dique e devolveram as pedras ao seu lugar. Esse fato contribuiu para que Benjamin Franklin se tornasse conhecido por sua honestidade e fidelidade aos mandamentos de Deus.

Fernando Beier