sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

O que Deus deseja para você em 2012?



Cada vez que um novo ano desponta no horizonte, muitos de nós somos levados por um sentimento de expectativa. O que acontecerá de novo? Minha vida vai melhorar? Conseguirei fazer o que não fiz nos últimos meses? Meus sonhos se realizarão? A ansiedade nesses casos é saudável se nos empurrar para a certeza de nossa constante e irremediável dependência de Deus.
Algumas semanas atrás, minha filha me perguntou onde iríamos passar as férias. Impaciente, eu disse que só Deus sabia. Ela então resmungou: "Ele bem que poderia contar para nós". Sua lógica infantil me pegou de surpresa e me fez pensar no quanto eu realmente desejo saber a vontade de Deus para o futuro. O que Ele deseja para mim no novo ano? Enfim, uma pergunta que, como cristão, não posso ignorar.
Obviamente, a resposta não vem tão fácil como eu gostaria. Deus não vai falar através de um trovão ou terremoto. E se o fizesse, suspeito que não conseguiria assimilar tudo tão rápido. Creio que seria mais saudável se recebesse o que preciso em doses homeopáticas. A Bíblia diz que "as misericórdias do Senhor se renovam a cada manhã". Bem, se cada dia é um horizonte desconhecido, necessito que tal promessa se torne realidade. E não consigo pensar em outra reação mais natural para o cristão que buscar a presença de Deus no início de cada manhã e dizer: "Estou pronto. Dê-me a benção que prometeste para esse dia". Quem sabe então, dia após dia entregando-se pela fé, conseguirei entender melhor o plano divino para minha vida.
Que assim seja em 2012. Para mim e para você.
Um abraço...

Fernando Beier

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

SexxxChurch?

Por Marcelo Brasileiro
“Eu levo uma vida dupla. Sou pastor em período integral, mas na maior parte do tempo fico sozinho no escritório da igreja, baixando vídeos pornô na internet. Sinto-me simplesmente incapaz de conter isso”. A confissão, contundente em sua sinceridade, está na página virtual do ministério SexxxChurch (www.sexxxcurch.com), uma iniciativa que mistura muita originalidade, uma boa dose de ousadia e alguma polêmica. O site se propõe a socorrer almas perdidas no universo da pornografia, uma cadeia que a cada dia prende mais pessoas, inclusive crentes. Pelo menos um em cada dez evangélicos tem coragem de assumir problemas nesta área. Contudo, a quantidade deve ser bem maior, já que o receio dos efeitos de uma confissão perante a família e a igreja faz com que muitos prefiram ocultar o desvio de comportamento.
Mantido por uma equipe ligada à Igreja Projeto 242, uma comunidade evangélica que fica no centro da cidade de São Paulo, o SexxxChurch não foi feito para crentes, já que tinha uma proposta evangelística. Mas em pouco tempo percebeu-se que a demanda principal estava situada do lado oposto da trincheira. “A maioria dos e-mails que recebíamos eram de pessoas que se identificavam como cristãos, membros de igrejas ou líderes, e que tinham enormes problemas com o vício da pornografia”, relata João Mossadihj, 25 anos, conhecido como Jota, um dos idealizadores da página deste ministério evangélico nada ortodoxo.
Em pouco tempo, a idéia transcendeu o ambiente virtual. Praticamente todo fim de semana, o grupo da 242 visita alguma igreja com o projeto Pornix, voltado a palestras sobre sexualidade e pornografia. A procura pelo serviço é grande, o que demonstra a extensão do problema nos arraiais evangélicos. Mas o ministério também costuma evangelizar em regiões como a da Rua Augusta, no centro da capital paulista, conhecido reduto de prostíbulos. SexxxChurch também marca presença na Parada Gay, ostentando camisetas com dizeres como “Jesus ama os atores pornôs”. Numa demonstração prática do conselho de Paulo, que recomendou que os cristãos fizessem de tudo para, de alguma forma, ganhar alguns, a equipe já faz planos para alugar um estande na Erótika Fair, feira especializada do mercado erótico que acontece em outubro em São Paulo. O evento é uma prova do gigantismo de um setor que movimenta cerca de 500 milhões de reais ao ano apenas no Brasil – no mundo, são 60 bilhões de dólares anuais. “Vamos distribuir bíblias estilizadas durante a feira”, planeja Jota.
Mas é mesmo no mundo virtual que o SexxxChurch alcança números estratosféricos. Segundo Jota, são 600 mil acessos mensais e duzentos e-mails por dia. As mensagens são enviadas por gente nas mais diversas situações – algumas fazem confissões das mais indecorosas possíveis. No entanto, apenas 10% das mensagens são respondidas, contabiliza a psicóloga Sâmara Gabriela Baggio, 28, que acompanha boa parte desses casos. “Nós ouvimos e estabelecemos metas para a recuperação. Mas, para isso, é preciso que o viciado esteja realmente arrependido”, destaca a terapeuta. Para ela, não há limite seguro para o consumo de pornografia. “A partir do momento que uma pessoa entra em contato com isso, as imagens recebidas ou geradas na mente alimentam fantasias. Não demorará muito para que se tente colocar em prática tudo o que foi visto e fantasiado”, opina.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Feliz Natal!




       Aos leitores do Blog PENSANDO LIVREMENTE um feliz Natal e um novo ano cheio de bençãos. Obrigado pelo seu apoio.

Fernando Beier

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Desconfiança nos Ateus



Pesquisa realizada em novembro pela Universidade de British Columbia, no Canadá, e pela Universidade de Oregon, nos Estados Unidos, concluiu que as pessoas em geral tendem a confiar mais nos cristãos do que nos ateus, gerando certo preconceito para com os cidadãos que não acreditam em Deus. Para isso, fez-se uma simples pesquisa com mais de 300 americanos de idades entre 18 e 82 anos. Os autores apresentavam aos participantes alguns tipos sociais, como ateus e homossexuais, e colhiam alguns dados que resumiam sentimentos e pensamentos relacionados a esses tipos, como nível de confiança e nível de aversão. O estudo descobriu que os entrevistados não tinham problemas relacionados a pessoas em geral – o que demonstra que eram voluntários normalmente sociáveis –, mas tinham menos empatia por homossexuais e ainda menos por ateus – mostrando haver preconceito contra ambas as condições. 

O preconceito contra ateus estava mais relacionado a uma falta de confiança nessas pessoas – os participantes relataram que não achavam os ateus confiáveis. Já em relação ao preconceito contra gays, foi notado entre os entrevistados um grau de revolta com o comportamento em público das pessoas com essa opção sexual.

Fonte: Galileu

Comentário: Os ateus, quem diria, também sofrem preconceitos. E quem melhor pode entendê-los? Os cristãos! Não é interessante? (F. Beier)

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Sofrimento dos mais fracos




Mais um caso de de maus-tratos contra cães caiu na web. Vídeo postado no YouTube nesta quarta-feira (14) mostra uma enfermeira agredindo violentamente seu Yorkshire - as imagens não deixam claro se o cão morreu. A brutalidade foi cometida na presença do filho dela, de aproximandamente 3 anos de idade, na cidade de Formosa, em Goiás. 

No último dia 8, um cachorro foi enterrado vivo pelo próprio dono, na cidade paulista de Novo Horizonte. Quatro dias depois, outro cão foi amarrado no para-choque de um carro e arrastado por 500 metros em Guarulhos, na Grande São Paulo.


Fonte: Yahoo.com.br


Comentário:  A maldade do ser humano é tanta que não conhece limites. A medida que a loucura de certas pessoas cresce, os mais fracos pagam a conta - animais, idosos e crianças. Quanto sofrimento e dor a humanidade ainda é capaz de produzir? (F. Beier)

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

O Pão que Verdadeiramente Alimenta



“À vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com Ele. Então, perguntou Jesus aos doze: Porventura, quereis também vós outros retirar-vos? Respondeu Simão Pedro: Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras de vida eterna; e nós temos crido e conhecido que tu és o Santo de Deus”. João 6:66-69.


       Era mais um dia de sol na Galiléia.  As notícias sobre os últimos acontecimentos correm por todas as cidades e aldeias. Dizem que Jesus alimentou mais de cinco mil pessoas. O povo está em comoção, pois pensam ter chegado a hora da sua tão sonhada libertação. Aquele que andou sobre o mar e mandou a tempestade se acalmar deveria ser coroado rei. Não há dúvidas que o momento crucial chegou.
       Jesus, obviamente, sabia de tudo. Sabia que no gráfico de sua vida, a multiplicação dos pães foi o ponto alto na euforia de sua nação. Sabia que se somente fizesse um aceno afirmativo, todo o povo o arrebataria e o proclamaria Rei. Sabia, acima de tudo, que o interesse das pessoas era temporal.
       Por isto Jesus está triste. Há algo errado em tudo aquilo. Aos olhos humanos, Jesus havia alcançado o máximo que um líder, político ou revolucionário jamais havia sonhado. Nunca se viu alguém com tamanha popularidade. Jesus era mais conhecido que o próprio Rei da nação!
       Contudo, a missão de Jesus continha algo de misterioso que as pessoas não conseguiam entender -– nem mesmo seus discípulos.
       Ao multiplicar os pães, Cristo tinha contemplado a alegria e satisfação no rosto daquela gente. Olhou todos com amor, “como ovelhas que não tem pastor”. Entretanto, viu algo mais: incredulidade e a falsa esperança de um reino terrestre.
       Em várias ocasiões, Jesus afirmou a seus seguidores para não colocar a esperança nas coisas desta vida. De nada adiantou. Na euforia da alimentação multiplicada, o reino espiritual ficou eclipsado. Na verdade sempre foi assim.
       O ser humano em geral está preocupado em encontrar alguém que resolva seus problemas. E de preferência o mais rápido possível. Em geral, não importa quem seja, de onde vem, sua filosofia de vida ou mediante o quê se realiza o milagre. As pessoas seguem em geral aquele que oferece mais.
      Talvez você ache um exagero o que vou afirmar, mas creio que se Josef Stalin, por exemplo, aparecesse novamente -– com o mesmo caráter que o fez enviar milhares de pessoas para as prisões soviéticas -– e alimentasse pequenas multidões, curasse outro tanto e pregasse apaixonadamente uma reforma social, logo dezenas de pessoas estariam seguindo-o. Até mesmo alguns dariam a sua vida por ele!
       Este era o motivo da tristeza de Jesus. As pessoas não o seguiam por causa dEle. O próprio Criador talvez tenha se assustado ante o duro coração humano. Os homens pareciam não compreender suas palavras.
       Então Jesus tomou a decisão de mudar tal expectativa. Pregaria o mais claro e doloroso de seus sermões. Faria isso dois dias após a multiplicação dos pães.
       Estando em Genesaré, logo grande multidão apareceu a sua procura. Jesus escolheu uma sinagoga para a sua pregação. Todos estavam ali aguardando mais manifestações milagrosas. Mais pães e peixes. Porém o que ouviriam ali, mudaria o rumo de suas próprias vidas. Cristo deixaria claras as expectativas que todos deveriam ter perante a sua missão.
       Por favor, não pense que foi simples para Jesus ter de falar o que falou. Seu coração com certeza chorava. Quando Ele começou a falar, estavam todos sorrindo e felizes. Ao final, o povo estava silencioso e de cabeça baixa. O assunto do sermão ainda era a multiplicação dos pães, e o título: “Eu sou o pão da vida”. Na verdade, o povo ficou confuso.
       Você já pensou seriamente nestas palavras? Quando o povo comeu o pão multiplicado, se alimentavam do que era material e passageiro. E o Reino de Deus não tem nada a ver com isso. Ele não é terrestre. Não é conquistado com a força das armas ou com o uso da violência. A condição para entrada no Reino de Deus é uma só. Aceitação de uma pessoa -–  Jesus Cristo.
       Isto significa que quem busca o cristianismo como uma forma de obter o sucesso material nesta vida, vai ter uma grande decepção. Eis o motivo de muitos saírem da igreja e abandonarem a religião. Aguardam algo que Jesus nunca prometeu dar.
       Quando o sermão terminou, aconteceu o que Jesus já esperava. As pessoas se levantaram e começaram a sair murmurando: “Duro é este discurso, quem o pode ouvir?” O relato Bíblico expressa tragicamente aquele momento: “Á vista disso, muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele”.
       É difícil imaginar a tristeza de Jesus ao ver todos saindo pela porta da sinagoga para nunca mais voltar. E o pior: muitos daqueles pseudo-discípulos futuramente gritariam: “Crucifica-o!”.
       A sinagoga ficou vazia. Jesus contempla doze homens atônitos e assustados. Com os olhos lagrimejantes, Ele pergunta: “Porventura quereis vós outros retirar-vos?”
       Eis uma pergunta que Jesus poderia fazer a mim e a você toda vez que achamos que as coisas espirituais são complicadas demais. Toda vez que os problemas se avolumam sobre nossa cabeça. Toda vez que alguém nos magoa dentro da igreja.
       A vida neste mundo de pecado oferece apenas lutas e provas. Temos a impressão as vezes que o sofrimento não quer nos deixar. Ficamos desanimados com nossas imperfeições e com as imperfeições dos outros. Talvez nesses momentos a vontade seja desistir de tudo. Perceba que a única coisa que Jesus pode fazer é perguntar qual a sua decisão, pois ele não força a ninguém a aceitá-lo. Foi o que Ele fez com os discípulos.
       Agora, note a resposta de Pedro: “Senhor, para quem iremos?”.
       Amigo, esta pergunta é muito significativa. Perceba que a ênfase não é para “onde” e sim para “quem”. Se você algum dia desistir de Jesus, para quem você se voltará? Onde vai encontrar ajuda para enfrentar suas lutas? Quem vai te ajudar a carregar teus fardos? Quem vai lhe entender nos momentos de dor?
       Quando penso num mundo dentro de uma realidade sem Jesus, me pergunto: será que conseguimos resolver nossos próprios problemas apenas confiando em nós mesmos? Sinceramente, depois de estudar um pouco a história e contemplar a capacidade humana para o mal, eu creio que não.
       Os discípulos podiam abandonar a Jesus e todo aquele papo de “reino de Deus”. Podiam muito bem voltar para as vidas simples que tinham antes de conhecerem o tal Nazareno. Podiam continuar a ser manipulados pelos líderes judaicos. Entretanto, eles não teriam aquilo que mais ansiavam: “Tu tens as palavras de vida eterna”.
       Isso faz toda a diferença, você não acha?
       Há muitos anos, um moço andava pelas ruas de Londres, quando avistou um anúncio na porta de uma igreja. Era um convite para as reuniões que ali se realizavam. Ele entrou e escutou o apelo feito. Pensou em aceitar a Jesus em seu coração, mas se assim o fizesse, teria dificuldade em seguir a carreira de jornalista, carreira que tanto sonhava ter. Decidiu viver como antes. Os anos se passaram e ele se tornou um famoso editor de um grande jornal. Mas, depois de se afastar do que é direito, foi parar na prisão. Um jovem cristão foi visitá-lo e lhe rogou: “O sr. não acha que deveria fazer a paz com Deus?”
       “É tarde demais. Quando eu era jovem como você, entrei numa igreja e Deus falou diretamente a mim, mas eu era ambicioso e desejava fazer fama no mundo. Agora estou acabado e nesta prisão”.
       O jovem não soube o que dizer e foi embora. Um amigo do jornalista entrou e perguntou: “O que está fazendo? Costurando?”
       Desviando o olhar da bolsa em suas mãos, aquele homem disse tristemente: “Não, agora eu estou apenas colhendo! Uma vida sem Jesus é um fracasso”.
       Se algum dia você pensar em desistir de Jesus, lembre-se que Ele é o único que pode lhe oferecer o que ninguém mais pode --- salvação e vida eterna.

Fernando Beier

quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Igreja Luterana Realiza" Missa Tecno".


O reverendo de uma igreja luterana de Estocolmo, na Suécia, criou um tipo de missa diferente na tentativa de atrair os jovens para as reuniões religiosas. Olle Idestrom, líder da Igreja de Todos os Santos (que, apesar do nome similar, não tem ligação com a fé mórmon), começou a realizar “missas tecno” nas noites de sexta-feira.

Fonte: G1 Notícias

Comentário: Pois é, na tentativa de atrair as pessoas para Cristo, muitas denominações cristãs acabam aproximando os cristãos do mundo secular. Será que vale a pena tanto risco? (F. Beier)

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Liderança Corajosa



Sinopse: No mais importante livro que já escreveu, Bill Hybels compartilha o que aprendeu sobre liderança cristã nos quase 30 anos em que lidera a Willow Creek Comunity Church. Liderança Corajosa é um presente pra você, líder de igreja local, pois, como Bill declara, a igreja local é a esperança do mundo, e o seu futuro reside essencialmente nas mãos de seus líderes.

Comentário: O autor escreveu um livro para líderes espirituais, sobretudo aqueles que trabalham diretamente na igreja. A maioria dos conselhos de Hybels vem de sua jornada como pastor de grandes congregações. Suas experiências mais marcantes são expostas para aprendizado do leitor. Não é uma obra sistematizada sobre liderança, mas acima de tudo uma conversa franca sobre as bençãos e os espinhos no caminho daquele que lidera. (F. Beier).

Nota: 7