sábado, 23 de julho de 2011

Cristianismo e sua vocação




"O cristianismo, que é uma religião hegemônica no Ocidente, fala do pecador, de sua busca e de seu conflito interior. É uma espiritualidade riquíssima, pouco conhecida por causa do estrago feito pelo secularismo extremado. Ao lado de sua vocação repressora institucional, o cristianismo reconhece que o homem é fraco, é frágil. As redenções políticas não têm isso. Esse é um aspecto do pensamento de esquerda que eu acho brega.
Essa visão do homem sem responsabilidade moral. O mal está sempre na classe social, na relação econômica, na opressão do poder. Na visão medieval, é a graça de Deus que redime o mundo. É um conceito complexo e fugidio. Não se sabe se alguém é capaz de ganhar a graça por seus próprios méritos, ou se é Deus na sua perfeição que concede a graça. Em qualquer hipótese, a graça não depende de um movimento positivo de um grupo. Na redenção política, é sempre o coletivo, o grupo, que assume o papel de redentor. O grupo, como a história do século 20 nos mostrou, é sempre opressivo".



Luis Felipe Pondé


Para a Revista VEJA (13 de Julho de 2011)

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Dinheiro pode matar?



Dinheiro sempre é bem-vindo, certo? É ótimo receber o pagamento de uma dívida, um prêmio em verdinhas ou até uma herança de um tio-avô desconhecido. Mas é melhor tomar cuidado: muito dinheiro de uma vez pode aumentar as chances do novo endinheirado morrer – não importa se é jovem ou velho, rico ou pobre.
Isso é o que indica uma pesquisa realizada pela Universidade de Notre Dame. O estudo examinou milhões de registros de óbitos ao longo de três anos. Foram quatro grupos estudados, incluindo idosos com seguro social, militares, famílias que tinham desconto nas taxas de impostos e moradores dos Estados Unidos com dividendo no Fundo Permanente do Alasca.
Em cada um desses grupos, havia mortes por acidente de carro, ataque cardíaco ou uso abusivo de drogas. E o mais assustador: o óbito ocorria logo depois que as pessoas eram pagas.
Mas por que algumas pessoas morrem pouco depois de receber um dinheiro? De acordo com a equipe de pesquisa, isso acontece porque algumas pessoas vivem de maneira descontrolada após terem os bolsos cheios de dinheiro, até mesmo sem medir as consequências dos seus atos – o que pode acabar de maneira trágica.
Quem teria pensado que uma conta bancária mais gorda poderia ser mortal? Da próxima vez você já sabe: aceite o pagamento, mas pense bem como você vai utilizar o dinheiro para não colocar a vida de ninguém em risco.
Fonte: Gizmodo

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Amor Desinteressado

Por favor, perdoa o pecado deles! Êxodo 32:32.

Que homem tremendo foi Moisés! Mesmo sabendo que Deus tinha razão em Se irar contra o povo de Israel, Moisés intercedeu por eles.
Mas note que foi um risco para ele. Afinal de contas, Deus falou como se a decisão já tivesse sido tomada. E quando Deus toma uma decisão, quem pode fazer algo contrário?
Porém, uma palavrinha que passa muitas vezes despercebida quando lemos a Bíblia, mudou a situação. Deus disse: “Deixa-Me, que os consuma” (Êxodo 32:10, ARA). Moisés entendeu que havia uma chance de interceder pelo povo. E foi o que ele fez.
Deus ouviu-lhe a oração, e atendeu sua súplica em favor do povo. De certa maneira, o Senhor provou a fidelidade de Moisés e viu o quanto era real seu amor por aquelas pessoas ingratas e pecadoras. E Moisés resistiu à prova como bom cristão. Ele preferia ver a prosperidade do seu povo do que a sua própria. O que significaria a vida dali para frente sem as ovelhas que ele pastoreara desde o Egito?
A forma como Moisés agiu em favor daquele povo errante é também a forma como Jesus intercede por nós pecadores. Já pensou se em algum momento Jesus desistisse de nós? Se Ele afirmasse que não nos quer mais? É um pensamento assustador, não é mesmo?
Agora veja: “Será que uma mãe pode esquecer o seu bebê? Será que pode deixar de amar o seu próprio filho? Mesmo que isso acontecesse, Eu nunca esqueceria você” (Isaías 49:15).
Você é muito importante para Deus para escapar aos Seus cuidados. Nunca se esqueça disso!

Fernando Beier

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Pregue a Palavra

Pregue a Palavra
Aos 75 anos, o pastor Charles Swindoll não abre mão de continuar a ministrar a Palavra de Deus.
Por J.R. Kerr

Aos 75 anos, o pastor Charles Swindoll não abre mão de continuar a ministrar a Palavra de Deus. Considerado um dos maiores pregadores dos Estados Unidos, o escritor – que agora mesmo trabalha em uma série de comentários bíblicos – e chanceler do Seminário Teológico de Dallas está no púlpito há mais de quarenta anos. Suas mensagens têm sido veiculadas em todo o mundo, mas ele não perde a simplicidade do ofício: “É preciso fazer com que os ouvintes estejam atentos ao texto bíblico e falar acerca de Jesus”, resume. Swindoll conversou com Christianity Today:

CRISTIANISMO HOJE – A chamada pregação contextualizada tem tido muito valor hoje em dia, apesar dos que criticam o modelo por achar que ele tira a atenção do cerne do Evangelho. Qual sua opinião? CHARLES SWINDOLL  – Apresentar o Evangelho às pessoas é expor algo em que possam acreditar. Para isso, é necessário despertar um desejo no povo. Quando falou sobre o semeador, Jesus não apresentou nenhuma fórmula – ele utilizou-se de uma realidade conhecida por seus ouvintes. Ao expor o Evangelho às pessoas, precisamos fazê-lo de tal forma que revele a elas as necessidades do seu dia a dia. Algumas das coisas mais importantes a se pregar podem ser vestidas com roupagens históricas, com o evidente objetivo de pregar a Cristo, sua graça, amor, misericórdia e compaixão.  

Qual a fórmula da pregação relevante? 
Resume-se a três palavras: “Pregue a Palavra”. O pregador deve livrar-se de todas as coisas que o prendem e impedem de expor o Evangelho com pureza. É preciso fazer com que as pessoas estejam atentas ao texto bíblico e falar acerca de Jesus. É simples assim.

Que conselhos o senhor daria a um jovem pregador em início de carreira? 
Que ele levasse a sério sua tarefa de pregar a Bíblia. Que não fique enrolando o povo, fazendo da mensagem mero entretenimento. Que apresente a Palavra, fazendo com que as pessoas tenham interesse por sua mensagem. E que caminhe pelos livros da Bíblia, apresentando o que é importante. Ele deve fazer disso sua grande missão.

Fonte: cristianismohoje